Resenha #01: O Mágico de OZ

Oi amores, 

acho que já cheguei a dizer aqui que não me dou muito bem para escrever resenhas então procurei em muitos blogs uma resenha boa do livro que me encantou durante 4 dias seguidos. Procurei em uns 8 blogs e foi no Doses e Desapego que achei a resenha perfeita pra vocês escrita pela Juliana Marques. Eu diria que temos uma grande diferença de idade mais acho que nos interessamos pelo mesmo gênero, enfim vou parar de enrolar vocês e partir pra resenha. 

Título: O Mágico de Oz 
Autor (a): L. Frank Baum 
Editora: Leya 
Páginas: 192 
Classificação: 5/5 
Sinopse: Após um ciclone em Kansas, Dorothy vai parar com sua casa e seu cachorro na fantástica Oz, onde as coisas são coloridas, bonitas e mágicas. Porém, o seu maior desejo é retornar de volta para casa, para isso ela deve encontrar um mágico, que lhe mostrará como realizar esse seu desejo. Para chegar até ele, contudo, Dorothy viverá uma aventura inesquecível através do caminho de tijolos amarelos.
 ________________________________________________________________

Quem nunca ouviu sobre a história de Dorothy? Quem nunca soube do Espantalho que queria um cérebro, do Homem de lata que queria um coração ou do Leão covarde que queria acima de tudo ter um pouquinho mais de coragem? Praticamente cresci com as aventuras de Dorothy, assim como cresci com Cinderela e Branca de Neve. Mas nunca tinha realmente embarcado na história porque o único contato que eu tinha com Dorothy era quando minha mãe vinha me contar aquelas histórias para dormir sabe? 

Para começo de conversa, só posso dizer que a história me deixou tão empolgada que ficava super chateada quando tinha que parar de ler.  Enrolei um pouco para começar a leitura, quer dizer, não enrolei, eu não tive é tempo. Confesso que apesar dos meus 18 anos, ainda me amarro em contos de fadas e em problemas com gosto de balas de limão. Sou uma eterna criança no corpo de uma mulher. Enfim, vamos ao que interessa?


Tudo começa quando chega um ciclone em Kansas e a casa aonde Dorothy vivia começa a girar e girar. Dorothy acaba adormecendo e acorda algum tempo depois em um lugar completamente diferente e logo descobre que sua casa caiu bem em cima da Bruxa Má do Leste, matando-a. O povo que era escravizado pela Bruxa, os Munchkins, aclamam Dorothy como a heroína e lhe dizem que para ela voltar para a casa, vai precisar seguir pela estrada de tijolos amarelos até chegar à Cidade das Esmeraldas e pedir para o mágico de Oz para enviá-la para a casa. Durante a viagem Dorothy conhece três amigos - o Espantalho, o Homem de Lata e o Leão Covarde – e juntos eles parte para a Cidade das Esmeraldas, cada um com o seu desejo. Durante a viagem eles encontraram alguns perigos e quando finalmente chegam a até a cidade, o mágico diz que só vai realizar o desejo dos quatro se eles matarem a Bruxa Má do Oeste. Desta forma, eles embarcam em mais uma viagem de perigos.

O livro foi escrito para crianças, então tentei ler com o olhar de uma. O que não foi difícil, porque a história de Dorothy e seus amigos resgatam toda a nossa infância e o nosso olhar de inocência. Só fiquei meio triste porque durante toda a leitura ocorreram soluções muito rápidas para os perigos que cercaram Dorothy. Até a minha prima - Olívia, para quem eu li alguns capítulos - reclamou disso.


O livro trás também a importância dos valores comuns como: compaixão, solidariedade, respeito e amizade. É uma história super fofa que ensina a todos – crianças ou adultos - que nós podemos fazer e ser o que nós quisermos, só basta acreditar. Desta forma, o Mágico de Oz deve ser considerado um excelente livro, sem restrição de idade, porque existe sempre uma coisa ou outra para ser aprendida.  

Nenhum comentário :

Postar um comentário